Bem-vindo ao Centro Islâmico Brasileiro - Últimos Artigos: Capítulo 4, An Nisa (As Mulheres) (parte 3 de 3) - Capítulo 4, An Nisa (As Mulheres) (parte 2 de 3) - Capítulo 4, An Nisa (As Mulheres) (parte 1 de 3) - Capítulo 18 Al-Kahf (A Caverna) (parte 2 de 2) - Capítulo 18, Al-Kahf (A Caverna) (parte 1 de 2) - Capítulo 80, Versículos 33-42: Uma Descrição do Dia do Julgamento - Capítulo 87 Al-A'la (O mais elevado) - Capítulo 89 Al-Fajr (A Alvorada) - Capítulo 88: Al-Ghashiyah (O Evento Assolador) - Capítulo 86 At-Tariq (O Visitante Noturno) - Capítulo 54, Al-Qamar (A lua) - Capítulo 53, An-Najm (A estrela) - Capítulo 71, Nuh (Noé) - Capítulo 21 Os profetas (Al-Anbiya) - Capítulo 73, Al-Muzzamil -
Este site tem por objetivo divulgar o Islam, seguindo a Ahlus Sunnah wal Jama'a (Seguidores da Sunnah e a Comunidade), o Islam em sua mais pura forma, o Islam que foi ensinado pelo nosso querido Profeta Muhammad (s.a.w.s) e seguido pelos seus Nobres Companheiros (Sahaba).


Ouça o Alcorão
Já está disponível em nosso
site o "Nobre Alcorão e seus
Significados em Português"
saiba mais



Leia o Alcorão
Agora além de poder ouvir a
bela recitação do Alcorão,
você também pode ler,...
saiba mais



Du'as - Súplicas
Aprenda como recitar de maneira correta os du'as (suplicas) em arabe saiba mais


Biblioteca Islâmica
"A teoria da evolução foi
tratada em capítulo à parte,
pelo fato de que constitui a
base de todas..." saiba mais



Assine nosso Jornal
Assine nosso Jornal Islâmico Online e receba no seu email as últimas atualizações do nosso site saiba mais



Perguntas e Respostas
Sinta-se à vontade para tirar todas suas dúvidas referente ao islam, alcorão, profeta mohammad, saiba mais



Civilização Islâmica
Dentro de poucos anos do crescimento do Islam no mundo, grandes civilizações floresceram saiba mais


Convertidos ao Islam

Nesta seção você conhecerá a história de pessoas que descobriram no Islam a Luz para as suas vidas. saiba mais

Capítulo 5, versículos 116-117: Conselho, orientação e um alerta
Clique aqui para retornar às Categorias de Artigos

Descrição: Jesus nega divindade no Dia do Juízo

Por Aisha Stacey (© 2018 IslamReligion.com)

 

https://photobest1.com/wp-content/uploads/2017/03/Beautiful-Spring-Flower-Wallpaper-desktop-background-hd-4.jpgE recorda-te de quando Deus disse: Ó Jesus, filho de Maria! Foste tu quem dissestes aos homens: Tomai a mim e a minha mãe por duas divindades, em vez de Deus? Respondeu: Glorificado sejas! É inconcebível que eu tenha dito o que por direito não me corresponde. Se tivesse dito, tê-lo-ias sabido, porque Tu conheces a natureza da minha mente, ao passo que ignoro o que encerra a Tua. Somente Tu és Conhecedor do incognoscível. Não lhes disse, senão o que me ordenaste: Adorai a Deus, meu Senhor e vosso! E enquanto permaneci entre eles, fui testemunha contra eles; e quando quiseste encerrar os meus dias na terra, foste Tu o seu Único observador, porque és Testemunha de tudo." (Alcorão 5:116-117)

 

Esses dois versículos essenciais são do capítulo cinco do Alcorão, intitulado Al-Maida ou A Mesa Servida.  É um dos três capítulos que lidam amplamente com a vida de Jesus e sua mãe, Maria.  Esse capítulo foi revelado em Medina e discute de maneira abrangente a Unicidade de Deus.  Também rejeita todas as formas de politeísmo, trindade, a associação de parceiros a Deus e a possibilidade de iguais para Ele.   Os dois versículos que discutiremos, versículos 116 e 117, estão nos últimos cinco versículos do capítulo e podem ser pensados como uma grande admoestação e aviso para os cristãos do mundo.

No Dia do Juízo ocorrerá uma conversa entre Deus e o profeta Jesus.  É de fato um testemunho feito por Jesus quando Deus lhe pergunta se disse à humanidade para adorá-lo (Jesus) e à sua mãe como divindades.  Sabemos e compreendemos muito bem que Deus sabe exatamente o que Jesus disse às pessoas. Entretanto, essa interação é voltada para os que assistem e ouvem, ao invés de para aquele para a qual é dirigida, Jesus, profeta e servo de Deus.  Porque alguém alegar que ele seja igual a Deus é um delito terrível e, portanto, a resposta de Jesus é repleta de temor e respeito.

Jesus começa glorificando Deus e, então, imediatamente nega que tenha dito isso.   Está chocado e refuta qualquer conhecimento de tamanho pecado.  Diz que é inocente e que é tudo uma invenção.  Nesse ponto é interessante notar que os muçulmanos entendem Jesus e seu papel de acordo com o Alcorão e as tradições e ditos do profeta Muhammad.   Jesus foi um de uma longa linhagem de profetas que chamaram as pessoas para adorar ao Deus Único.   O Alcorão explica isso claramente, da mesma forma que os ensinamentos de Jesus fizeram.  Existem muitas passagens na Bíblia nas quais Jesus e seus discípulos demonstram compreensão de que ele (Jesus) é um servo de Deus.

"Meu Pai é maior que eu." (João 14:28)

"Quando orardes, dizei Nosso Pai que está no céu." (Lucas 11:2)

"O filho do homem não vem para ser servido, mas para servir." (Mateus 20:28)

"O Deus de Abraão, Isaque e Jacó, o Deus de nossos antepassados, glorificou seu servo Jesus." (Atos 3:13)

"Homens de Israel, ouçam: Jesus de Nazaré era um homem aprovado por Deus entre vós por milagres, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis." (Atos 2:22)

Aqueles que acreditaram e seguiram Jesus durante a vida dele não achavam que ele fosse Deus ou o filho de Deus.  Qualquer tipo de trindade estava longe de suas mentes.  O próprio Jesus nunca reivindicou ser Deus e os versículos na Bíblia o descrevem como um profeta.

"E os príncipes dos sacerdotes e os fariseus, ouvindo estas palavras, entenderam que falava deles; E, pretendendo prendê-lo, recearam o povo, porquanto o tinham por profeta." (Mateus 21: 45-46)

Quanto à divindade da mãe de Jesus, Maria, a Bíblia não contém nem a mais remota sugestão de que Maria era divina de alguma forma.  Esse conceito era totalmente estranho ao pensamento cristão até o século três EC, quando teólogos em Alexandria começaram a se referir a Maria como a mãe de Deus.  Apesar de a idolatria começar a criar raízes, a expressão Mãe de Deus só foi usada oficialmente em torno de 100 anos depois do Concílio de Éfeso[1].  Quando o Alcorão foi revelado Maria tinha se tornado uma deidade importante.  Assim, vemos que a negação de Jesus no Dia do Juízo será extremamente importante.

Jesus chama Deus de Todo-Poderoso e assim, Ele (Deus), sabe bem que Jesus é inocente do grande pecado de atribuir parceiros a Deus ou da abominação de chamar a si próprio de Deus.  O Jesus sobre o qual lemos na Bíblia fez um esforço para se distanciar dos atributos que pertencem somente a Deus.  Disse: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai." (Mateus 24:36) Jesus falou a um homem que o chamou de "bom," perguntando-lhe, "Por que me chamas de bom? Ninguém é bom, exceto Deus." (Marcos 10:18)

Jesus afirma que não fez nada além de chamar seu povo para adorar somente a Deus.  A responsabilidade de transmitir a mensagem de adorar ao Deus Único pesou muito nos ombros de todos os profetas.  Em seu sermão final o profeta Muhammad estava ansioso para saber se seus seguidores testemunhariam que tinha transmitido a mensagem.  Pode-se facilmente supor que Jesus também gostaria que seus seguidores testemunhassem que transmitiu a mensagem de Deus e não uma que veio de sua própria mente e lábios.  Também nega qualquer responsabilidade pelo que as pessoas fizeram depois do fim de seu tempo na terra.  Jesus foi uma testemunha para o comportamento de seu seguidor e, assim, tem alguma responsabilidade enquanto estava entre eles, mas não depois que partiu.

Jesus então diz que depois que foi elevado Deus foi a testemunha sobre eles.  Os cristãos acreditam que Jesus morreu após ser crucificado. Entretanto o Alcorão nega isso de maneira enfática. "Eles não o mataram nem o crucificaram." (Alcorão 4:157) Jesus ascendeu aos céus e, assim, não tinha mais controle sobre o que seus seguidores e as gerações subsequentes disseram sobre ele.  Com o passar do tempo as palavras e ensinamentos de Jesus foram corrompidos e alterados.

Essa conversa entre Deus e Jesus aponta o quanto os ensinamentos foram corrompidos ao longo do tempo.  É um alerta severo para ser muito cuidadoso sobre quaisquer associações feitas entre Deus e Jesus.  Esses dois versículos nos pedem para purgarmos quaisquer traços de idolatria que tenham se infiltrado nas religiões previamente reveladas.  Em sua forma verdadeira revelam a verdade das doutrinas do Islã.

 

https://www.islamreligion.com/pt/articles/10879/capitulo-5-versiculos-116-117/

 

Notas de rodapé:

[1] Mary, Mother of God de Carl E. Braaten e Robert W. Jenson página 84

Hierarquia do Artigo:
Artigos Religião Comparada Capítulo 5, versículos 116-117: Conselho, orientação e um alerta


Navegação de Artigos:

<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>
Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Página Inicial | Últimos Artigos | Crenças do Islã | A Outra Vida | Evidência do Islã | Religião Comparada | Perguntas e Respostas | Busca | Contato |
Centro Islâmico Brasileiro (c) 2009-2018. Todos os direitos reservados.
Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2018 by Nick Jones.
Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3
voltar ao topo