Ouça o Alcorão
Já está disponível em nosso
site o "Nobre Alcorão e seus
Significados em Português"
saiba mais



Leia o Alcorão
Agora além de poder ouvir a
bela recitação do Alcorão,
você também pode ler,...
saiba mais



Du'as - Súplicas
Aprenda como recitar de maneira correta os du'as (suplicas) em arabe saiba mais


Biblioteca Islâmica
"A teoria da evolução foi
tratada em capítulo à parte,
pelo fato de que constitui a
base de todas..." saiba mais



Assine nosso Jornal
Assine nosso Jornal Islâmico Online e receba no seu email as últimas atualizações do nosso site saiba mais



Perguntas e Respostas
Sinta-se à vontade para tirar todas suas dúvidas referente ao islam, alcorão, profeta mohammad, saiba mais



Civilização Islâmica
Dentro de poucos anos do crescimento do Islam no mundo, grandes civilizações floresceram saiba mais


Convertidos ao Islam

Nesta seção você conhecerá a história de pessoas que descobriram no Islam a Luz para as suas vidas. saiba mais

Condições de adoração no Islam
Clique aqui para retornar às Categorias de Artigos

https://yaqeeninstitute.org/wp-content/uploads/2017/04/Optimized-Prayer-to-Overcome-Pessimism.jpeg

 

Todos os louvores são para Allah.

Shaikh Muhammad ibn Salih ibn ‘Uthaimin (que Allah tenha misericórdia dele) disse:

  1. “Em primeiro lugar: a adoração deve estar de acordo com a Shari’ah em suas razões. Qualquer pessoa que adora Allah oferecendo um ato de adoração que não é feito por uma razão comprovada na Shari’ah está oferecendo um ato de adoração que será rejeitado e não foi ordenado por Allah e Seu Mensageiro.

Um exemplo disso é celebrar o Mawlid ou aniversário do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele), ou celebrar a vigésima sétima noite de Rajab, alegando que o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) foi elevado ao céu naquela noite. Isto não está de acordo com a Shari’ah, por isso deve ser rejeitado.

  • Não há nenhuma evidência histórica de que o Mi'raj (ascensão ao céu) do Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) ocorreu na vigésima sétima noite de Rajab. Os livros de hadith que temos não contêm uma única letra sequer que indique que o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) foi elevado ao céu na vigésima sétima noite de Rajab. Sabe-se que este é o tipo de informação que não pode ser aceita sem isnads (cadeias de transmissão) autênticos.
  • Mesmo que comprovado, temos o direito de inovar algum tipo de adoração nessa data ou de torná-la uma festa? De jeito nenhum. Portanto, quando o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) veio a Madinah e viu que os Ansar tinham dois dias para comemorar, ele disse: “Allah vos substituiu estes por algo melhor”, e mencionou a eles ‘Eid al-Fitr e ‘Eid al-Adha. Isto indica que o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) não aprovava qualquer data comemorativa que fosse inovadora no Islam, exceto as comemorações islâmicas, que são três: os dois ‘Eids anuais, ‘Eid al-Fitr e ‘Eid al-Adha, e a comemoração semanal que é a sexta-feira. Mesmo que fosse comprovado que o Mensageiro (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) foi elevado ao céu no dia 27 de Rajab – o que é impossível provar – não podemos inovar nada nessa ocasião sem a permissão do Legislador.

Como eu disse a você, bid’ah (inovação) é um assunto sério que tem um efeito negativo no coração, mesmo que a pessoa sinta leveza em seu coração naquele momento. Pois a questão será posteriormente oposta, porque se o coração se alegrar com a falsidade, essa alegria não durará, mas sim, será seguida de dor e arrependimento. Cada bid'ah é tratada seriamente, pois implica crítica ao Mensageiro, já que esta bid'ah indica que o Mensageiro (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) não trouxe a Shari'ah completa, embora Allah tenha dito (interpretação do significado):

“Hoje eu completei vossa religião para vós e completei Minha graça para convosco e agradei-Me do Islam como religião para vós.” [Al-Maidah 5:3]

É estranho que você descubra que alguns daqueles que se entregam a essas inovações incentivam fortemente as pessoas a segui-los, mas são negligentes em assuntos que são mais benéficos, mais sólidos e mais úteis.

Por isso dizemos que celebrar a noite do dia 27 de Rajab como a noite em que o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) foi elevado ao céu é uma bid'ah, porque é baseada em algo que não é mencionado na Shari’ah.

  1. Em segundo lugar: o ato de adoração deve estar de acordo com a Shari’ah em seu tipo ou natureza.

Por exemplo, se uma pessoa sacrificasse um cavalo, isso seria contrário à Shari’ah na natureza da ação. Porque um sacrifício só pode envolver um animal da classe an'am, nomeadamente um camelo, uma vaca ou uma ovelha.

  1. Em terceiro lugar: o ato de adoração deve estar de acordo com a Shari’ah em sua quantidade. Se alguém dissesse que iria rezar Dhuhr com seis rakaat, este ato de adoração estaria de acordo com a Shari'ah? De forma alguma, porque não está correto em termos de quantidade ou número. Se alguém dissesse Subhan Allah (glorificado seja Allah), al-hamdu Lillah (todos os louvores são para Allah) e Allahu akbar (Allah é o Maior) trinta e cinco vezes após uma oração prescrita, isso seria correto? A resposta é que se o seu objetivo é adorar a Allah dizendo isso esse número de vezes porque você acredita que esta é a maneira correta, então você está equivocado. Se você deliberadamente adicionar algo ao que o Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) prescreveu, porém você acredita que a forma correta prescrita no Islam é trinta e três, então os extras estão bem, porque você não está sugerindo que o número maior é a forma correta e prescrita.
  2. Em quarto lugar: O ato de adoração deve estar de acordo com a Shari’ah na forma como é realizado.

Se uma pessoa pratica um ato de adoração que é aceitável em seu tipo, quantidade e razão, mas vai contra a Shari’ah na maneira como é oferecido, então não é válido. Por exemplo, um homem solta gases, etc. e faz wudhu, mas lava os pés e depois esfrega a cabeça, então, lava as mãos e, em seguida, lava o rosto – o seu wudhu é válido? De forma alguma, porque ele foi contra a Shari’ah na forma como o fez.

  1. Em quinto lugar: o ato de adoração deve estar de acordo com a Shari’ah no que diz respeito ao seu tempo.

Por exemplo, se uma pessoa jejua o Ramadan em Sha'ban, ou em Shawwal, ou reza Dhuhr antes do sol ter passado do seu zênite, ou depois que a sombra de um objeto se torna igual em comprimento a ele, sua oração não é válida – porque se esta pessoa reza antes do sol ter passado do zênite, ela está rezando antes que o horário inicie, e se ela reza depois que a sombra de um objeto se torna igual em comprimento a ele, ela está rezando depois que o horário já terminou.

Por isso dizemos que se uma pessoa deliberadamente não reza até que o horário para aquela oração termine, sem nenhuma desculpa válida, a sua oração não será aceita mesmo que ela reze mil vezes. Portanto, seguimos um princípio importante a esse respeito, que é que, no caso de todo ato de adoração que deve ser feito em um determinado horário, se uma pessoa o fizer fora do horário adequado, sem nenhuma desculpa válida, não será aceito, ao contrário, será rejeitado.

A evidência disso é o hadith de ‘Aishah (que Allah esteja satisfeito com ela), que disse que o Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) disse: “Quem quer que pratique uma ação que não esteja de acordo com este nosso assunto (ou seja, o Islam) será rejeitada”.

  1. Em sexto lugar: o ato de adoração deve estar de acordo com a Shari’ah no que diz respeito ao local onde é realizado.

Se uma pessoa estiver em Muzdalifah no dia de ‘Arafah, esta posição não é válida, porque o ato de adoração não está de acordo com a Shari’ah no que diz respeito ao local onde é realizado. Da mesma forma, por exemplo, se uma pessoa fizesse i'tikaf em sua própria casa, isso não seria válido, porque o local do i'tikaf é a mesquita. Portanto, não é válido para uma mulher fazer i'tikaf em sua casa, já que este não é o lugar para i'tikaf. O Profeta (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele) viu que algumas de suas esposas montaram tendas na mesquita; ele disse a elas para retirarem (as tendas) e não fazerem i'tikaf, mas não lhes disse para fazerem i'tikaf nas suas casas. Isto indica que as mulheres não devem fazer i'tikaf em suas casas, pois isso vai contra a Shari’ah no que diz respeito ao local onde é feito.

Portanto, no que diz respeito a estes seis fatores, um ato de adoração não é considerado de acordo com a Shari’ah, a menos que combine todos os seis itens abaixo:

  • Razão
  • Tipo
  • Quantidade
  • Maneira
  • Tempo
  • Lugar

E Allah sabe mais.

 

https://islamqa.info/pt/answers/21519/condicoes-de-adoracao-no-islam

Hierarquia do Artigo:
Artigos Adoração e Prática Condições de adoração no Islam


Navegação de Artigos:

<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>
Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Página Inicial | Últimos Artigos | Crenças do Islã | A Outra Vida | Evidência do Islã | Religião Comparada | Perguntas e Respostas | Busca | Contato |
Centro Islâmico Brasileiro (c) 2009-2023. Todos os direitos reservados.
Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2023 by Nick Jones.
Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3
voltar ao topo